• Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Hemomar recebe doação de sangue de pessoas LGBT

Em 22/06/2020

Após decisão do STF, a expectativa é de que haja um aumento de 18 milhões de litros de sangue para os bancos do país

Fernando, Rosana e Pamela doaram sangue pela primeira vez. Eles representam milhões de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), que após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que extinguiu as restrições à doação de sangue por homossexuais, conquistaram o direito à doação de sangue. Com o objetivo de conscientizar e incentivar a doação de sangue pelos LGBTs, o Governo do Maranhão, por meio das secretarias de Estado da Saúde (SES) e de Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Maranhão (Hemomar), deram início, hoje (22), a uma campanha direcionada aos LGBTs.

Para a maioria das pessoas heterossexuais pode não parecer uma grande conquista ou que não faz diferença na vida de quem doa ou ainda que trata-se de algo óbvio, o óbvio está sempre ligado a um privilégio de não precisar problematizar. Um dia também foi óbvio para Fernando, que recorda que doava sangue periodicamente, no entanto, quando assumiu sua orientação sexual e decidiu falar ao médico na triagem quem realmente “era”, gay, a negativa não foi óbvia, porque para ele, nada havia mudado. Diante da negativa, Fernando afirmou que sentiu tristeza, porque foi desabilitado enquanto doador e em 2008, deixou de doar sangue, por ser considerado grupo de risco.

Em tese, a restrição não impediria Rosana Lima, lésbica, de realizar a doação, porém, ela relata que com o tempo passou a ser desconfortável doar sangue: “Há cinco anos, quando eu vinha vestida ‘mais menininha’, quando eu era ‘passável’, eu conseguia doar tranquilamente. Mas, quando eu passei a me vestir mais masculinizada, eu fui impossibilitada de doar e salvar vidas. Agora o STF garantiu o meu direito de salvar vidas, de doar sangue, enquanto cidadã e enquanto ser humano, eu posso doar sangue e sangue é vida!”.

O coordenador estadual da política LGBT da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), Betinho Lima, destaca que o tratamento recebido no Hemomar era geralmente constrangedor para os LGBTs e o medo de ser destratado continua, mas acredita que com uma reformulação do atendimento, a partir da decisão do STF, essa realidade deve mudar. Lima lembra que para o movimento nunca existiu impedimento para a doação, pois os testes deveriam demonstrar qual pessoa é ou não apta a doar, a proibição era mais uma marca de discriminação e percebe as novas determinações como uma conquista e um avanço, não só para os LGBTs, mas também para as pessoas que necessitam e/ou podem vir a necessitar de doação sangue.

A assessora na Diretoria de Planejamento e Governança da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), Deisy Boscaratto, que faz a gestão do Hemomar, afirma que a decisão do STF vem para garantir mais um passo na construção da cidadania plena de pessoas LGBTs e que toda a sociedade ganha com a decisão, visto que a estimativa é que a liberação resulte em mais 18 milhões de litros de sangue para os bancos de todo país. Ela assegurou, ainda, que o público que comparecer ao Hemomar pode ir sem medo, pois está assegurado um tratamento digno.
Por fim, Pamela Lima, falou da experiência da doação e convidou todas as mulheres trans a
realizarem a doação, que além de um dever, agora é também um direito! E tu? Tá esperando o que, gay? Bora virar super heróis e super heroínas. Basta agendar pelo WhatsApp (99162-3334) ou se dirigir ao Hemomar ou aos Hemonúcleos no interior do estado.

Os critérios continuam os mesmos, isto é, ter idade entre 16 e 69 anos, se menor de 18 anos precisa estar acompanhado de um responsável; pesar mais de 50 kg; não ter ingerido álcool nas últimas 24 horas; estar em boas condições de saúde.

Endereço:

Av. Jerônimo de Albuquerque, S/N, 2º Andar, Bloco A, Edifício Clodomir Milet,
Calhau- São -Luís/MA. CEP: 65074-220

Telefone: (98) 3256-5330

Desenvolvimento © SEATI | www.seati.ma.gov.br